Fim do Carnaval: como transformar a depressão pós-folia em potência

Tempo de leitura: 3 minutos

O fim do Carnaval deste ano – que agora só termina no sábado seguinte à quarta-feira de cinzas e que, nós brasileiros, teimamos em tomar como medida pro ano começar – já é definitivamente um fato. O ano novo já foi há quase dois meses. O chinês há alguns dias. Parece que podemos decretar 2018 começado!

A DIFÍCIL ARTE DE COMEÇAR O ANO DEPOIS DO CARNAVAL

Talvez a maior dificuldade de começar o ano só agora seja que – diferente do pós-réveillon, dos primeiros dias de janeiro, em que a atmosfera dominante é de otimismo, entusiasmo e esperança – o fim do carnaval costuma provocar uma certa ressaca emocional, deixar na gente um certo mal estar, um desânimo, uma sensação de que a vida é melhor na folia.

Mas é também uma ótima oportunidade pra gente escapar da DITADURA DA FELICIDADE. Encher o peito de coragem, entrar em contato com nossos sentimentos e descobrir o que eles podem estar querendo nos dizer.

Neste vídeo a gente fala um pouco de como você pode utilizar essa ressaca emocional pós-carnaval a seu favor, entrando em contato profundo com suas emoções.

A POTÊNCIA DA CONTRADIÇÃO

O Carnaval me encanta (apesar de eu não ser das foliãs mais ativas... rs) porque é pura alegria, liberdade e contradição. É tanta vida esbanjada em alguns dias! E parece que pra esbanjar vida, a gente tem que abrir um parêntesis na vida. Sair fora da vida. Pelo menos daquela cotidiana, ordinária.

Eu amo as contradições. Elas nos colocam em movimento, nos desconfortam, nos obrigam a pensar, a repensar, a flexibilizar, a fazer escolhas com a mais completa consciência de que escolher é abdicar de algo. Abdicar é perder alguma coisa. E perder é ganhar alguma outra coisa. As contradições e as escolhas nos desafiam.

MEU DESAFIO

Eu me desafio neste fim do Carnaval a tentar inventar uma vida extraordinária dentro do ordinário dos dias. Desconfio que o segredo esteja em reconhecer os pequenos milagres do dia-a-dia. Me desafio a pensar profundamente sobre minhas escolhas para que eu possa abdicar do ordinário pra ficar com o extraordinário.

E isso é tarefa tão difícil... A vida é cheia de tantas coisas boas, que falar não pra elas pode ser duríssimo. Mas quando a gente tem clareza do que está buscando, fica pelo menos mais fácil reconhecer o que é uma verdadeira oportunidade e o que é só medo de estar perdendo alguma coisa. Oportunidades de verdade são as que nos aproximam dos nossos objetivos e sonhos. Cuidado com as pseudo-oportunidades, elas costumam não passar de distrações.

SEU DESAFIO

E assim como estou me desafiando, eu te convido ao desafio de entrar em contato com seja lá o que for que você esteja sentindo neste momento .

Como?

Bateu uma tristeza? Um medo? Uma raiva? Não evite. Não fuja. Não ignore. Pare tudo o que estiver fazendo, recolha-se e só observe. Permita-se sentir. Não é pra meditar, não é pra pensar, não é pra ter diálogos mentais. O primeiro passo é só contemplar profundamente o que este sentimento que está aí agora provoca em você em termos de sensações.

Depois deste contato profundo, respire e procure descobrir o que estas emoções que você acabou de reconhecer têm pra te ensinar. Nossas emoções sempre nos revelam o que nos falta e o que nos preenche.

A partir deste aprendizado, desafie-se a dar um passo, só o primeiro, hoje mesmo. Faça uma pequena ação que te coloque na direção da vida que você deseja experimentar!

E feliz 2018 pra nós!

fim do carnaval

Ps.: Se você ainda não leu o artigo sobre 5 hábitos simples que mudaram a minha vida, aproveita agora que o ano começou de vez e veja se algum deles faz sentido pra você! 😉

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *